Hands holding a global

Política de Fontes Éticas

Os fornecedores da Ecolab são tratados de acordo com os princípios fundamentais de dignidade humana. Nossos Padrões para Fontes Éticas são a base de nossa iniciativa da cadeia de fornecimento global, exigindo que os fornecedores diretos protejam a saúde, a segurança e os direitos humanos de seus associados.

Os fornecedores devem cumprir as normas referentes a trabalho forçado, trabalho infantil, saúde e segurança, remuneração justa e assédio no local de trabalho. 

Exigimos que nossos fornecedores identifiquem e eliminem rapidamente quaisquer condições ou práticas inaceitáveis em suas instalações. Não faremos negócios com fornecedores que não apoiem os princípios fundamentais de dignidade humana e os direitos dos trabalhadores a tratamento justo e imparcial.

Baseamos nossos requisitos para fornecedores em padrões internacionais, incluindo a Declaração Universal dos Direitos Humanos das Nações Unidas, a Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança e a Declaração de Princípios e Direitos Fundamentais no Trabalho de 1998 da Organização Internacional do Trabalho (OIT). Além disso, a Lei de Transparência nas Cadeias de Fornecimento da Califórnia de 2010 (SB 657), que entrou em vigor no dia 1 de janeiro de 2012, exige que certas empresas divulguem informações sobre seus esforços para erradicar a escravidão e o tráfico de pessoas de suas cadeias de fornecimento. A Lei Contra a Escravidão Moderna do Reino Unido, adotada em 2015, exige divulgações similares de certas empresas que fazem negócios no Reino Unido.

Como parte de nossa Política de Fontes Éticas e de acordo com essas leis, as divulgações da Ecolab são as seguintes:

  • Verificação
    Para avaliar e abordar os riscos de tráfico e escravidão de pessoas em nossas cadeias de fornecimento, a Ecolab preparou uma avaliação detalhada de ética de fornecedores que os fornecedores de certas áreas da Ecolab onde existe alto risco de escravidão e tráfico de pessoas devem preencher para confirmar a conformidade com os requisitos de fontes éticas da Ecolab. A Ecolab exigiu que seus fornecedores nas categorias de produtos químicos, embalagem, equipamentos e produção contratada preenchessem a avaliação, e continuamos a expandir o número e o escopo de fornecedores que precisam preencher essa avaliação. Os fornecedores são questionados não apenas em relação a suas políticas, mas em suas práticas de gestão e desempenho específico relacionado com a proteção dos direitos humanos dos funcionários e prevenção e eliminação de tráfico e escravidão.
  • Auditoria
    Atualmente, a Ecolab não conduz auditorias no local de fornecedores relacionadas com tráfico e escravidão em cadeias de fornecimento, mas está avaliando se deve expandir seu programa de auditoria existente para incorporar normas sobre tráfico e escravidão. A Ecolab participa da SEDEX (Troca de Dados Sobre Ética de Fornecedores), que é uma organização de associados sem fins lucrativos dedicada a promover melhorias em práticas de negócio éticas e responsáveis nas cadeias de fornecimento globais. Trata-se de uma plataforma baseada na web para compartilhar informações e resultados de auditorias de acordo com quatro pilares: (1) padrões de trabalho, (2) saúde e segurança, (3) meio ambiente e (4) integridade dos negócios. Como associada, a Ecolab tem o compromisso de realizar auditorias anualmente e compartilhar esses resultados na SEDEX.
  • Certificação
    A Ecolab exige que todos os fornecedores cumpram os regulamentos governamentais aplicáveis, assim como as políticas e procedimentos da Ecolab, inclusive a Política Global de Combate ao Tráfico de Pessoas da Ecolab. Comunicamos nossas políticas a fornecedores relevantes anualmente, mas no momento não exigimos certificação.
  • Responsabilidade
    Os funcionários da Ecolab são responsáveis ​​por garantir que a Ecolab atenda aos seus padrões em relação à escravidão e ao tráfico por meio do Código de Conduta e da Política Global Contra o Tráfico de Pessoas da Ecolab.
  • Treinamentos
    A Ecolab oferece treinamento a associados de sua supply chain e de compras, bem como a seus fornecedores, em relação às políticas e aos procedimentos de fontes éticas da Ecolab, incluindo um elemento de escravidão moderna.